Daily Archives: 16 Julho, 2015

Dia Aberto em Vale Boi permite manusear artefactos com mais de 30 mil anos

No dia 25 de julho, entre as 10h00 e as 16h00, o Centro Interdisciplinar de Arqueologia e Evolução do Comportamento Humano (ICArEHB) da Universidade do Algarve, em colaboração com a Câmara Municipal de Vila do Bispo, vai organizar mais um Dia Aberto na Jazida Arqueológica Paleolítica de Vale Boi.

 O sítio arqueológico, localizado perto da EN125, entre Lagos e Vila do Bispo, estará aberto ao público, oferecendo, assim, a oportunidade de ver em detalhe o trabalho de escavação arqueológica, observar e manusear os artefactos exumados com mais de 30 mil anos, e colocar, na primeira pessoa, todas as perguntas aos arqueólogos e alunos que se encontram a trabalhar em Vale Boi.

 O sítio arqueológico foi descoberto em 1998 como resultado dos trabalhos de prospeção nos vales fluviais da Costa Vicentina. Situada a leste da Ribeira de Vale Boi (concelho de Vila do Bispo), em frente da pequena localidade com o mesmo nome, a jazida paleolítica localiza-se a cerca de 2 km da atual linha de costa. Os vestígios arqueológicos apresentam uma dispersão superior a 10 mil m2, ocupando toda a vertente, que é limitada a Este por um afloramento calcário com 10 metros de altura e a Oeste pelo aluvião da Ribeira.

 Os trabalhos arqueológicos tiveram início no ano de 2000 e têm-se pautado pela intervenção em três áreas distintas da jazida, que revelaram uma longa sequência cronológica, iniciada há mais de 30 mil anos com os mais antigos elementos da nossa espécie em Portugal.

 Para além de inúmeros artefactos de caça e de atividades diárias, foram também exumados milhares de ossos de animais caçados, incluindo veado, auroque, cavalo, javali e coelho que

terão servido para a alimentação desses caçadores-recolectores, bem como leão, lobo, raposa e lince, provavelmente caçados devido às suas peles. O marisqueiro fazia também parte da vida diária dessas primeiras comunidades humanas no Algarve.

De realçar ainda, no sítio arqueológico de Vale Boi, a presença de elementos de arte móvel, característica do período paleolítico na Península Ibérica.

Reitor visita amanhã edição recorde da “Universidade Júnior”

Às 10 horas de amanhã, dia 17 de julho, o Reitor da Universidade do Porto, Sebastião Feyo de Azevedo, vai conhecer algumas das atividades realizadas pelos cerca de 5.500 jovens, com idades compreendidas entre os 11 e os 17 anos, que participam este ano na “Universidade Júnior”, o maior programa nacional de iniciação ao ambiente universitário. A visita tem início na Faculdade de Desporto da U.Porto (Rua Dr. Plácido Costa, 91, na Asprela) e que continuará, mais tarde, pela Faculdade de Belas Artes (Av. Rodrigues de Freitas, 265, ao Jardim de São Lázaro).

 

Naquela que é a edição com maior número de participantes de sempre, a “Universidade Júnior” 2015 conta com mais de 160 atividades preparadas pelas várias faculdades e centros de investigação da U.Porto que, de 29 de junho a 24 de julho, abrem as suas salas de aulas e laboratórios aos milhares de estudantes do ensino básico e secundário que fazem parte da “Universidade Júnior”

 

Da lista de atividades deste ano fazem parte, por exemplo, experiências “mãos na massa” em laboratório, batismos de mergulho, viagens por trilhos da cidade do Porto com desafios matemáticos pelo meio ou a participação numa orquestra que utiliza objetos sonoros não convencionais.

 

Os juniores da U.Porto têm ainda a oportunidade de viver uma verdadeira experiência de alojamento num quartel (Escola Prática de Transmissões) para mais de 1000 jovens que não podem diariamente fazer as deslocações entre a sua casa e a U.Porto. A Universidade Júnior é também, cada vez mais, um programa internacional que recebe estudantes estrangeiros oriundos de mais de 15 países como a Bélgica, o Brasil, a Espanha, os Estados Unidos da América, a Holanda, a Itália ou Timor.

 

Esta é a 11.ª edição da Universidade Júnior que, desde 2005, já recebeu cerca mais de 45 mil estudantes oriundos de todo o país que aproveitaram esta iniciativa para conhecer a realidade do ensino superior.

Curso de Engenharia Informática do IPBeja poderá funcionar em regime de Ensino a Distância

O curso de Engenharia Informática poderá funcionar em regime de Ensino a Distância, se existirem 20 alunos interessados neste regime, o que permite aos estudantes conciliar a vida profissional e a atividade académica.

Para que este regime inicie o funcionamento no ano letivo 2015-2016, quer a turma presencial, quer a turma a distância, deverão ter no mínimo 20 alunos inscritos.

Considerando que o Ensino a Distância surge da necessidade de preparação profissional e cultural de pessoas que, por vários motivos, não podem frequentar um estabelecimento de ensino presencial, a Escola Superior de Tecnologia e Gestão do IPBeja, propôs o funcionamento do curso de Engenharia Informática em regime de Ensino a Distância, para o próximo ano letivo.