21 Abril, 2016

xA partir das 9h30 da próxima sexta-feira, dia 22 de abril, o Salão Nobre da Reitoria da Universidade do Porto (Praça Gomes Teixeira, aos Clérigos) acolhe o seminário “Migrações e Saúde”, organizado pelo Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) e pela Administração Regional de Saúde do Norte (ARS Norte) com o objetivo de colocar académicos e profissionais de saúde em debate sobre as melhores estratégias de proteção da saúde das populações migrantes.

Santino Severoni, coordenador da área de Saúde Pública e Migrações da Organização Mundial de Saúde (OMS), será o orador principal deste seminário. Com a palestra de abertura “Migration and Health: European framework and future challenges”, o especialista da OMS enquadrará a importância do tema em debate: os migrantes são uma população particularmente suscetível a riscos de saúde, ainda mais quando os motivos de migração são a violação de direitos humanos, a instabilidade política, guerra ou violência e, na chegada ao país de acolhimento, estão ainda sujeitos a desigualdades no acesso ao serviço de saúde devido à falta de informação e às barreiras culturais, linguísticas e legais.

Do programa do seminário (em anexo) fazem ainda parte as intervenções “Fatores condicionantes do fenómeno migratório” por Rita Sá Machado (Agrupamento de Centros de Saúde do Porto Ocidental), “Doenças transmissíveis em população migrante” por Paulo Andrade (Centro Hospitalar São João/ISPUP) e “Intervenção Nutricional e Crises Migratórias” por Maria João Gregório (Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto).

Em 2007, a Presidência Portuguesa do Conselho de Europa intitulava-se “União de solidariedade entre iguais” e pôs em debate a migração global. Em 2008, a Assembleia Mundial de Saúde da OMS aprovou uma resolução sobre a saúde das migrantes. E, em 2010 foi a vez da Presidência Espanhola do Conselho da Europa, que também debateu este tema. Agora, o ISPUP e a ARS Norte pretendem, com este seminário, prolongar o debate nacional e internacional sobre os fatores, problemas e desafios associados à saúde dos migrantes no país recetor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *