Monthly Archives: Março 2018

Games for Good regressa à Universidade Europeia

O Campus de Santos da Universidade Europeia vai receber, entre 13 e 15 de abril, a segunda edição do evento Games for Good, uma game jam de responsabilidade social que tem como objetivo ajudar, através do desenvolvimento de jogos, organizações não-governamentais e de solidariedade social bem como instituições de utilidade pública e sem fins lucrativos, a encontrar soluções para algumas das suas necessidades reais.

O Banco Alimentar, a Entreajuda, a Associação Humanidades e a União das Mutualidades Portuguesa são algumas das instituições que se associaram, este ano, ao evento e que vão desafiar os participantes a colocar em prática técnicas de criação de jogos e de gamification para resolverem situações reais das suas organizações.

Durante o fim-de-semana (13 a 15 de abril), os estudantes vão desenvolver os desafios propostos pelas entidades participantes num ambiente descontraído e de grande convívio. Tal como na primeira edição, o evento divide-se em duas categorias: Games for Good Junior, dirigido a alunos do ensino secundário (40 vagas) e Games for Good Pro, destinado a criadores profissionais e estudantes do ensino superior (80 vagas). A iniciativa tem inscrições limitadas a  120 participantes.

O júri será composto por David Amador, Uriel Cordas e Maria João Andrade, personalidades do mundo dos Jogos, e ainda por duas representantes de entidades que participaram na primeira edição: Maria João Sequeira, da Menta8Works, e Maria Teresa Mendes, da Florescer.

Para Bruno Correia da Silva, coordenador da licenciatura Games & Apps Development da Universidade Europeia, “O Games for Good é o evento perfeito para mostrar como os jogos podem ter um impacto positivo na sociedade. São três dias durante os quais todos os participantes se unem e contribuem com o seu esforço e criatividade para resolverem desafios reais, lançados por entidades com intervenção social e que necessitam de ajuda”.

A Bee Engineering, através da sua unidade GameLAB, é co-coordenadora do evento e mentora das equipas participantes. “Ser parceiro da Games for Good reveste-se da maior importância para a Bee Engineering, na medida em que as técnicas de gamificação e de jogo corretamente aplicadas aceleram processos e melhoram os resultados de qualquer organização. Por esta via redobramos o apoio a organizações de solidariedade social, uma linha de ação que faz parte do nosso percurso desde o primeiro dia, e conseguimos colocar ao serviço do bem comum as melhores práticas de gamificação e de game development. A nossa unidade GameLAB tudo fará para que do evento Games for Good saiam projetos geradores de valor para as organizações e participantes”, explica José Leal e Silva, Diretor Executivo da Bee Engineering.

A segunda edição da Games for Good, promovida pela Universidade Europeia, decorre em parceria com a Bee Engineering, Associação Nacional de Professores de Informática (ANPRI) e Ludoteca, contando ainda com o patrocínio da Sony Playstation e da Collide e com o apoio de Joana Almeida (com o produto LibrarIoh’s Bitmap Font Renderer), de Luís Fonseca (com o produto Pro Camera 2D) e da Amplify Cretinos (com o produto Plugins Amplify).

A Games for Good nasce no âmbito da licenciatura em Games & Apps Development da Universidade Europeia que oferece aos seus estudantes a possibilidade de adquirir competências essenciais a uma carreira internacional de sucesso na indústria dos videojogos. Totalmente lecionado em inglês, o programa prevê um semestre de mobilidade internacional obrigatório, durante o qual os estudantes podem frequentar a prestigiada Media Design School da Nova Zelândia, escola da rede Laureate International Universities.

 

Vulcano atribui prémio académico na fct nova

A Vulcano, anuncia a atribuição de um prémio ao melhor estudante da unidade curricular de Energia e Alterações Climáticas do Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente da FCT NOVA.

A atribuição do prémio surge na sequência de uma parceria estabelecida entre a Vulcano e a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT NOVA), uma iniciativa no âmbito da política empresarial e de proximidade da marca com o mundo académico, bem como da constante preocupação com questões ambientais.

Para Nadi Batalha, coordenadora do Departamento de Marketing da Vulcano, “A Vulcano tem vindo a promover, ao longo dos anos, vários projetos junto do mundo universitário nomeadamente nas áreas relacionadas com o ambiente. Esta iniciativa que agora apoiamos cumpre esse objetivo e pretende premiar o talento, o esforço e a dedicação dos jovens universitários, nomeadamente os futuros profissionais da área da Engenharia do Ambiente. Esta é uma área que consideramos de extrema importância para a nossa marca que procura diariamente desenvolver produtos cada vez mais inovadores, eficientes e que contribuam para uma maior poupança económica e ambiental”.

Para Júlia Seixas, Presidente do Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente e responsável pela unidade curricular de Energia e Alterações Climáticas do Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente da FCT NOVAeste prémio é um estímulo aos estudantes de Engenharia do Ambiente, e à relação virtuosa entre a universidade e o mundo empresarial. O tema da energia e alterações climáticas traz oportunidades para as empresas que a universidade tem ajudado a explorar.

Este prémio vem sublinhar a importância que a Vulcano atribui ao tema, ao mesmo tempo que reconhece o potencial dos estudantes da Engenharia do Ambiente na construção de soluções inovadoras que colocam as empresas alinhadas com uma economia sem emissões de gases com efeito de estufa, como preconizado no Acordo de Paris“.

O prémio monetário será atribuído ao estudante com a melhor nota global na unidade curricular do semestre que agora inicia e o processo de apuramento será efetuado pelos respetivos docentes.

Concurso Maiores de 23: candidaturas no IPS até 16 de maio

Já abriu, no Instituto Politécnico de Setúbal (IPS), o período de candidaturas, exclusivamente online, para as provas de acesso ao concurso Maiores de 23 anos (M23), que se prolonga até ao próximo dia 16 de maio.

O concurso possibilita o acesso às licenciaturas e CTeSP (Cursos Técnicos Superiores Profissionais) do IPS, sendo destinado a todos os cidadãos nacionais e estrangeiros, independentemente do nível de habilitações académicas, e que tenham completado 23 anos até ao dia 31 de dezembro de 2017.

Os interessados podem candidatar-se a vários cursos, considerando o limite de candidaturas estipulado pelas escolas superiores do IPS e que cada candidatura necessita de um processo próprio, respetiva documentação e pré-requisitos (se necessários). Cada prova de acesso realizada é válida apenas na escola e para o curso pretendido.

No âmbito do seu objetivo estratégico “ser um centro promotor de conhecimento e formação”, o IPS continua a apostar na qualificação dos recursos humanos, em especial da sua região envolvente, disponibilizando o acesso ao ensino superior a diferentes públicos, através de concursos como os M23.

Neste contexto, para esclarecimento de dúvidas e preparação dos candidatos, foram agendadas três sessões públicas, nomeadamente a 13 de abril, pelas 19h00, na Escola Superior de Tecnologia de Setúbal (campus de Setúbal do IPS); a 27 de abril, pelas 19h00, na Escola Superior de Tecnologia do Barreiro (campus do Barreiro); e 7 de maio, pelas 19h00, na Escola Superior de Ciências Empresariais/Escola Superior de Saúde (campus de Setúbal).

Mais informações através do email divisao.academica@ips.pt

IADE-Universidade Europeia lança Fábrica em dia de aniversário

O IADE-Universidade Europeia lança amanhã, no dia do seu 49º aniversário, a Fábrica – uma incubadora de projetos especiais, desenvolvidos pelos estudantes em estreita colaboração com o mercado empresarial -. A cerimónia de lançamento terá lugar na instituição, pelas 11h00, e vai contar com as presenças do Reitor da Universidade Europeia, Professor Pedro Barbas Homem e do Diretor do IADE – UE, Professor Carlos Rosa.

Disponível através da plataforma digital www.fabrica-iade.pt/, a Fábrica é uma mostra pública da criatividade do IADE-Universidade Europeia onde se encontra patente a relação multidisciplinar promovida pela instituição entre estudantes, professores, empresas, laboratórios e a sociedade civil. Esta incubadora vai assentar em três modelos de atuação: fabricação paralela (desenvolvimento de projetos extracurriculares); fabricação curricular (projetos dentro do contexto letivo e em colaboração com parceiros da sociedade civil) e fabricação do futuro (investigação aplicada ao desenvolvimento de projetos desenhados e criados de raiz).

A Fábrica permite assim oferecer uma resposta mais sistematizada aos crescentes desafios que o mercado e as organizações colocam aos estudantes e professores da instituição e proporciona uma maior visibilidade aos trabalhos desenvolvidos nas diferentes áreas de atuação do IADE-Universidade Europeia – design, marketing, publicidade, tecnologias e fotografia -.

Para Carlos Rosa, diretor do IADE-Universidade Europeia, a Fábrica é um projeto único a nível nacional e vem demonstrar a importância do IADE – UE no desenvolvimento do ensino da criatividade em Portugal. “Temos apostado num modelo de ensino inovador que procura promover uma maior aproximação dos estudantes à realidade profissional, incentivando o desenvolvimento de projetos científicos com viabilidade empresarial, assentes numa interação multidisciplinar de conhecimentos. A Fábrica vai permitir estruturar esta valência empreendedora que sempre fez parte da cultura do IADE”, explicou.

IADE – UE reúne 49 antigos alunos no dia do seu 49º aniversário

Para assinalar o dia do seu 49º aniversário, o IADE – Universidade Europeia convidou 49 antigos alunos para regressarem às salas de aula da instituição e contarem aos atuais estudantes como venceram os maiores desafios das suas carreiras, correram riscos, ultrapassaram erros e vivenciaram experiências inesquecíveis ao longo das suas carreiras, tanto em Portugal como no estrangeiro.

A instituição pioneira no ensino do design em Portugal presta também, amanhã, tributo aos seus estudantes através de uma exposição dos seus rostos que vão poder ver espalhada pelos vários andares do seu icónico edifício em Santos.

Portugal inovação social: aprovadas 99 candidaturas no valor de 3,5 milhões de euros para reforço de competências das organizações

Foram aprovadas, no âmbito da iniciativa pública Portugal Inovação Social, 99 candidaturas ao abrigo do instrumento de financiamento Capacitação para o Investimento Social, somando um total de 3,5 milhões de euros em apoios que darão a possibilidade a organizações que tenham em curso iniciativas de inovação e empreendedorismo social de reforçarem as suas competências de gestão, com vista a obter maior impacto ou a captar e aplicar investimento de forma mais eficiente.

Estes 99 projetos de capacitação, financiados pelo Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (Portugal 2020), têm a seguinte distribuição: 49 na Região Norte (1,7 milhões de euros); 41 na Região Centro (1,5 milhões de euros) e 9 na Região Alentejo (0,35 milhões de euros).

As organizações selecionadas estão a contribuir para a resolução de problemas sociais através da implementação de projetos inovadores nas áreas da saúde, do envelhecimento, das pessoas com deficiência ou do emprego. Na sequência da atribuição destes apoios, estas organizações podem agora receber formação ou consultoria em áreas estratégicas para o desenvolvimento ou consolidação dos seus projetos, como Avaliação de Impacto, Gestão Financeira ou Marketing e Angariação de Fundos.

Após este primeiro concurso, ao qual foram apresentadas 168 candidaturas, está prevista a abertura de um novo concurso ao instrumento de financiamento Capacitação para o Investimento Social ainda em 2018.

Na sequência de concursos anteriormente realizados pela Portugal Inovação Social, no âmbito dos instrumentos de financiamento Parcerias para o Impacto e Títulos de Impacto Social, estão já a ser apoiados 38 projetos inovadores nas regiões do Norte, Centro e Alentejo.

Recordamos que, neste momento, estão novamente abertas candidaturas para apoio a projetos nos domínios da inclusão social e do emprego, no valor de 7 milhões de euros, ao abrigo do instrumento de financiamento Parcerias para o Impacto.

Futurália: Forum Educação, Património e Conhecimento

Na edição deste ano, o Fórum da Futurália trouxe-nos para a mesa de debate os temas “Educação, Património e Conhecimento”.

Na tarde de dia 15 de Março, o programa teve abertura com a presença do presidente da Fundação AIP, Jorge Rocha de Matos, do Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues e de uma mensagem gravada da Comissária Europeia de Emprego, Assuntos Sociais, Competências e Mobilidade, Marianne Thyssen.

Após o momento de boas-vindas, fomos contemplados com a presença do Professor Alexandre Quintanilha, Presidente da C.P. de Educação e Ciência da Assembleia da República. Trouxe-nos um discurso bastante motivador sobre o futuro e sobre como capacidades, tais como, a paixão ou a curiosidade, nos podem conduzir ao verdadeiro interesse pelo conhecimento.

De seguida, o programa foi dividido entre dois painéis. O primeiro painel serviu para debater sobre os temas Património, cidadania e territórios inteligentes: interface escola, cidades e políticas culturais e o segundo painel sobre Indústrias culturais e criativas: desafios da qualificação e da revolução digital.

Alguns dos temas relevantes para o futuro da cidadania foram levantados pelo jovem orador Gonçalo Azevedo, fundador da Gap Year Portugal. Com algum humor, desafiou o Fórum para que, no próximo ano, ele não fosse o único orador jovem presente no meio de um painel de uma faixa etária consideravelmente mais velha. Na sua opinião, falta espaço aos jovens para poderem intervir na política do “património”, isto é, as camadas mais velhas da população discutem o futuro das gerações mais novas, mas ainda não houve espaço para os jovens discutirem a política, terem um papel em que podem intervir e por isso terem interesse no património. Querer garantir a preservação do património no futuro é, tal como realça Gonçalo, começar a envolver os jovens nestes debates.

Descrente do atual modelo de educação, já que acredita que decorar matéria para estudar para um exame não é preparar os jovens para o futuro/presente de hoje, propõe que se repense o modelo de ensino e que o mesmo seja orientado para ensinar a utilizar a informação, em vez de decorá-la. No presente, acrescenta, quando vamos procurar por alguma informação no mundo de trabalho vamos diretamente à internet e não é isso que ensinamos aos nossos alunos nas escolas. Acredita que os professores deveriam ensinar os seus alunos a potenciar o uso da internet, como ferramenta para conseguirem a informação de forma imediata, e saber aplicá-la em casos práticos mais ajustados ao contexto real do mundo de trabalho característico dos dias de hoje.

Finaliza o seu discurso deixando-nos com duas sugestões: A primeira de voltar a envolver os jovens na “Educação para a Cidadania”, que acredita estar abandonada das escolas. Não dizer-lhes frases feitas como “deves preservar o património porque é importante”, mas estimular-lhes o verdadeiro interesse para a preservação do mesmo. E a segunda mostrar-lhes o impacto que um jovem poderia ter e a diferença que a sua ação poderia trazer para o país, deixando que tenha um papel de envolvimento importante para a preservação do património no presente e no futuro. Acredita que a motivação do jovem passa a existir quando o mesmo é “levado a sério” nas suas ideias e ações. Sugestões que deixa para que possamos refletir.

A Futurália teve início no dia 14 e terminou no dia 17 de Março. Durante estes dias, houve espaço para se discutirem temas de Emprego & Empregabilidade, conferências e expositores que representavam Universidades, Institutos e Escolas de todo o país. Por sua vez, os jovens e restantes pessoas interessadas, puderam esclarecem dúvidas relativamente a licenciaturas, cursos técnico-profissionais, obter mais informação sobre estudar no estrangeiro e sobre a experiência de se fazer um Gap Year.

Podemos concluir que a Futurália, por todo o seu envolvimento, termina esta edição de forma a fomentar, uma vez mais, o espaço para o debate, esclarecimento de dúvidas e reconhecimento de oportunidades para todos os jovens e interessados nestes temas – uma forma interessante de abordar as opções que todos poderemos vir a ter para o dia de amanhã.

Concurso Creactívate: Concorra a 23 bolsas de estudos do IED Barcelona

Revele seu talento e criatividade participando do concurso “Creactívate” do Istituto Europeo di Design em Barcelona e concorra a uma das 23 (vinte e três) bolsas de estudos para os cursos de Master e Pós-graduação em Moda, Design,  Visual Communication e Management do ano acadêmico 2018/2019

O tema do concurso é “Let’s Design the Future: Design a solution to improve our lives”. (Desenhe o futuro: encontre uma solução para melhorar o nosso dia-a-dia”. Os candidatos deverão apresentar um projeto que leve em conta sua experiência de vida e sua visão sobre o futuro do planeta. Revele a  sua energia, seu ponto de vista sobre espaços, programas e novos produtos sustentáveis, revolucionários, práticos, fundamentais e básicos para que vivamos em planeta melhor.

Os candidatos deverão desenvolver o tema relativo à área de referência do curso escolhido. (Masters ou Pós-graduação).

O projeto deve conter imagens e uma descrição no idioma do curso escolhido, ou seja, em inglês ou espanhol, até o dia 16 de abril de 2018.

Descubra como participar acessando o site. 

Candidaturas para Estudantes Internacionais abertas até 31 de março

Até 31 de março estão abertas as candidaturas, para a primeira Fase do Concurso para Estudantes Internacionais da Universidade da Madeira (UMa).

Para esta primeira fase, a UMa disponibiliza 118 vagas, distribuídas por 18 cursos de Licenciatura. O concurso é aberto a todos os indivíduos que não têm nacionalidade de um estado membro da união europeia. Destes excluem-se todos os que residam legalmente em Portugal há mais de dois anos, ou que se encontrem a frequentar curso da UMa, no âmbito de um programa de mobilidade internacional ou acordo de intercâmbio.

Adicionalmente, os candidatos devem ser titulares de uma qualificação que, no país em que foi obtida, lhes confira o direito de candidatura e ingresso no ensino superior desse país ou serem titulares de um diploma do ensino secundário português ou de habilitação legalmente equivalente.

No caso dos candidatos brasileiros as provas de ingresso serão substituídas pelos resultados obtidos no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), o equivalente ao ensino secundário português, ao abrigo de um protocolo estabelecido entre a UMa e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), do Brasil.

A UMa aceita candidaturas de estudantes brasileiros que façam o ENEM em 2018, ou que o tenham feito nos 3 anos anteriores (2017, 2016 ou 2015) e que tenham diploma do Ensino Médio.

A UMa disponibilizará 30 Bolsas de Estudos para os estudantes nacionais da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa e 10 destinadas a estudantes nacionais da Venezuela. Estas Bolsas de Estudos consistem na redução da taxa legal de frequência dos ciclos de estudo, designada em Portugal por propina, do Estudante Internacional (4.000€ por ano) para o valor de propina do Estudante Nacional (1063.47€ por ano).

Portucalense promove “Formação Aplicada: Regulamento Geral de Proteção de Dados”

O que vai mudar na proteção de dados?

Para responder às dúvidas que os profissionais e as empresas e instituições têm acerca das alterações impostas pelo Regulamento Geral de Proteção de Dados, em vigor já em maio, a Sociedade de Advogados Nuno Cerejeira Namora, Pedro Marinho Falcão & Associados inicia este mês o curso de “Formação Aplicada: Regulamento Geral de Proteção de Dados”, na Universidade Portucalense, com o objetivo dar a conhecer as grandes alterações e obrigações impostas pelo novo Regulamento.

O Curso tem a participação da equipa de Proteção de Dados da Sociedade de Advogados que dará uma formação sólida no âmbito jurídico. No decorrer da formação serão analisados os princípios, direitos e obrigações que o novo Regulamento apresenta e os mecanismos que instituiu para a proteção de dados. O conhecimento das novas regras é fundamental para estabelecer e perspetivar as alterações que a implementação do novo regulamento vai trazer às nas empresas e instituições.

O curso terá uma duração de 18 horas e as sessões serão divididas pelas seguintes temáticas:

. Proteção de dados no século XXI

. Direitos e tratamento

. Obrigações das organizações

. DPO e transferências

. Data Breach e Cibersegurança

. Engenharia social

O curso tem como objetivo ajudar a identificar e compreender o alcance do novo Regulamento Geral de Proteção de Dados. Com uma vertente muito prática, no final do curso os alunos serão capazes de conhecer as principais alterações legislativas no âmbito da proteção de dados dentro das empresas e instituições nas quais exercem funções ou das quais são consultores.

Para Nuno Cerejeira Namora “face a este novo regulamento de proteção de dados as empresas poderão ou não optar por apoio externo, no entanto consideramos imprescindível que alguns quadros das empresas, sobretudo os RH, IT e Legal tenham formação e estejam bem informados sobre este novo paradigma que se impõe às empresas”.

Mais informações em http://www.upt.pt/curso.php?e=735

40 Anos. 40 Masterclasses. 40 antigos alunos regressam à NOVA FCSH para falar dos desafios da sua especialidade

De março a dezembro, às terças e quintas, há 40 oportunidades para participar em Masterclasses de antigos alunos que se tornaram referência na sua área. É uma iniciativa pioneira e integra‐se na comemoração dos 40 anos da NOVA FCSH.

O pianista Nuno Vieira de Almeida abre a iniciativa já nesta quinta‐feira, dia 8, às 18h, no Auditório 1 da Torre B da Faculdade, com uma Masterclass dedicada ao “problema” da interpretação musical. Segue‐se o jornalista Rodrigo Guedes de Carvalho, no dia 15 de março, que vai abordar o jornalismo no seu labirinto.

As Masterclasses duram uma hora e focam‐se num ou mais desafios que atravessam hoje as artes e as ciências sociais e humanas e que se relacionam com as próprias áreas dos antigos alunos. O leque de convidados é, aliás, “muito dificilmente repetível nos próximos anos”, sublinha o diretor da NOVA FCSH, Francisco Caramelo. A entrada é livre.

A programação oficial da primeira parte das Masterclasses (até maio) é a seguinte:

8 de março (quinta) – Nuno Vieira de Almeida, pianista. Masterclass: “O ‘problema’ da interpretação musical”.
15 de março (quinta) – Rodrigo Guedes de Carvalho, jornalista. Masterclass: “O jornalismo no seu labirinto”.
20 de março (terça) – Miguel Marques, CEO da Mapidea
22 de março (quinta) – António Carvalho, diretor do Museu Nacional de Arqueologia
3 de abril (terça) – Gabriela Canavilhas, deputada
5 de abril (quinta) – Elisabete Caramelo, diretora de Comunicação da Fundação Calouste Gulbenkian
10 de abril (terça) – Ana Paula Zacarias, secretária de Estado dos Assuntos Europeus
12 de abril (quinta) – Nuno Artur Silva, autor e produtor
17 de abril (terça) – Elza Pais, deputada
19 de abril (quinta) – Bárbara Bulhosa, diretora da Tinta da China
24 de abril (terça) – Rui Tavares, historiador
26 de abril (quinta) – Luís Pedro Nunes, diretor do Inimigo Público
8 de maio (terça) – Gonçalo M. Tavares, escritor
10 de maio (quinta) – Bárbara Coutinho, diretora do Museu do Design
17 de maio (quinta) – Rui Cardoso Martins, escritor
22 de maio (terça) – Miguel Jalôto, diretor artístico do Ludovice Ensemble
24 de maio (quinta) – Maria Fernanda Rollo, secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

O programa vai sendo atualizado em 40anos.fcsh.unl.pt