Monthly Archives: Novembro 2018

SADs do FC Porto e do Sporting Clube de Portugal terminam época 17/18 em falência técnica

Um estudo do Observatório do Futebol da Universidade Europeia que analisou a estabilidade financeira das SADs dos três principais clubes portugueses no final da época desportiva 17/18, concluiu que o Sport Lisboa e Benfica (SLB) está a reduzir significativamente o endividamento, em comparação com o Sporting Clube de Portugal (SCP) e o Futebol Clube do Porto (FCP).

Analisando as três últimas épocas desportivas, o estudo, que foi desenvolvido pelo Observatório do Futebol da Universidade Europeia com base nos relatórios e contas anuais das SADs, analisou quatro variáveis que caracterizam a estratégia financeira-desportiva destes clubes, nomeadamente o rácio de endividamento, a pressão da folha salarial, a dependência da venda de jogadores e a relação valor-custo do plantel.

Na variável que analisou os indicadores de endividamento, o estudo concluiu que as SADs do SCP e do FCP encontravam-se em falência técnica, uma vez que o montante de financiamento por capital alheio (passivo), nomeadamente 283 milhões de euros no caso do SCP e 464 milhões de euros no FCP, era superior ao seu valor (ativo), que representa atualmente 269 M€ e 426 M€, respetivamente. Na SAD do Sporting, o montante subiu na última época devido à redução do valor de atividades comerciais correntes e de vendas de jogadores (passou dos 57 M€ na época de 16/17, para 13M€ na de 17/18). No que diz respeito à SAD do Porto, o montante subiu devido ao aumento de passivo não corrente em sede de empréstimos bancários (passou de 40 M€ na época de 16/17, para 113 M€ na de 17/18).

Em comparação, a SAD do Benfica demonstrou um comportamento diferente, diminuindo o seu rácio de endividamento devido à redução do passivo que, de 438 M€ na época de 16/17, passou para 398 M€ em 17/18.

Na variável que analisou a pressão da folha salarial dos clubes, o estudo do Observatório do Futebol da Universidade Europeia verificou que o Benfica foi também o clube com a estrutura salarial mais baixa, de 68 M€, em comparação com o Porto que revelou ter a mais alta, de 78 M€, seguido do Sporting, com 74 M€.  O Benfica obteve ainda o maior rendimento sem transação de jogadores (112 M€), que se deveu em parte ao elevado montante de receitas de televisão, enquanto que o Sporting foi o clube com menor rendimento sem transação de jogadores (92 M€), devido em parte ao reduzido montante de prémios da UEFA.

Na análise da variável sobre a dependência dos clubes por transação de jogadores, o estudo concluiu que os gastos das SADs do Benfica e Sporting (sem transação de jogadores) foram muito semelhantes, nomeadamente 116 M€ e 110 M€, respetivamente, e no caso da SAD do Porto foram substancialmente mais elevados (134 M€).

Contudo, os rendimentos da Benfica SAD (sem transação de jogadores) foram superiores (122 M€) às SADs do Sporting e Porto, com 92 M€ e 107 M€, respetivamente), concluindo-se que o clube da Luz é a única sociedade que apresenta resultados positivos sem transação de jogadores, não fazendo depender a sua operação da compra e venda de jogadores para se manter financeiramente no positivo.

No caso do valor do passe de jogadores versus o custo do plantel, o estudo do Observatório do Futebol da Universidade Europeia concluiu que as SADs do Sporting e do Benfica têm otimizado melhor a relação custo benefício. O clube da Luz conseguiu inclusive reduzir o valor do seu plantel (menos 9 milhões de euros) bem como a sua folha salarial (menos 7 M€), enquanto o clube de Alvalade aumentou o seu plantel devido à aquisição de três jogadores, num total de 27 M€, com aumento nos custos em ordenados não proporcionais. Contrariamente, a SAD do Porto tem decrescido nas últimas três épocas, tendo passado de 120% para 105%, uma vez que é o clube que tem a estrutura salarial mais elevada, e não detém 100% do passe de 13 dos 21 jogadores ativos do plantel 2017/2018. O Benfica foi a única sociedade que apresentou resultados positivos sem transação de jogadores, não fazendo depender a sua operação da compra e venda de jogadores para se manter financeiramente no positivo.

Ficha Técnica do Estudo

O estudo sobre “As finanças dos três grandes clubes portugueses” foi realizado com base nos relatórios e contas anuais das SADs do SLB, SCP, FCP e disponíveis online, tendo analisado as últimas três épocas desportivas (15/16, 16/17 e 17/18). Os relatórios anuais da SADs analisadas são referentes aos períodos compreendidos entre 1 de julho do ano x, e 30 de junho do ano x+1. Não foram considerados neste estudo quaisquer relatórios trimestrais posteriores aos relatórios anuais de 17/18.

Método de calculo das variáveis analisadas no estudo

Endividamento: Reflete em que medida as aplicações (ativos) são financiadas por capitais próprios (equity) ou por capitais alheios (debt). Em situações próximas de 100% reflete uma empresa largamente endividada, próximos de 0% reflecte uma empresa com muita autonomia financeira.

Pressão da folha salarial: O rácio dos gastos com o pessoal vs receitas operacionais é um indicador relevante neste setor de atividade, sendo reconhecido como um dos principais para avaliar a eficiência operacional dos clubes ou das sociedades desportivas de futebol, permitindo analisar a sua viabilidade futura. Quanto menor for o rácio, maior a eficiência da entidade. Tanto a UEFA no âmbito do Fair Play Financeiro como a European Club Association (ECA) recomendam que este rácio não ultrapasse os 70%. Segundo os critérios da UEFA, os gastos com honorários devem ser acrescidos aos gastos com o pessoal e as receitas operacionais não devem ter em consideração as transações com direitos de atletas. Para efeitos de cálculo do rácio, estes critérios serão tidos em consideração.

Dependência da venda de jogadores: A demonstração de resultados anuais de uma sociedade anónima desportiva está sempre dividida entre o que é a operação sem transação de jogadores e a operação com transação de jogadores. As principais fontes de receita sem transação de jogadores são direitos de transmissão televisiva, patrocínios e publicidade, prémios da UEFA e bilheteira. A principal fonte de despesa sem transação de jogadores são gastos com pessoal. Quanto maior for os ordenados dos jogadores (leia-se gastos com pessoal), e menor a receita sem transferência de jogadores, maior a dependência da transação de jogadores. A variável dependência da venda de jogadores corresponde ao inverso do resultado sem transação de jogadores. Isto é, se os ordenados forem baixos relativamente à receita sem transação de jogadores, a dependência da venda de jogadores é menor, e vice-versa.

Valor vs. Custo do plantel: Um dos principais ativos de uma sociedade anónima desportiva é o valor do passe dos seus jogadores. Este valor é diferente do seu valor de mercado porque não considera o seu potencial desportivo futuro (e respetivo potencial valor de venda) mas sim o valor da sua aquisição passada. Concomitantemente, jogadores formados no clube não contam como ativos, dado não terem sido aquisições. A variável valor vs. custo do plantel procura dar esclarecimento sobre a eficiência da utilização dos recursos jogadores de futebol, na medida em que jogadores mais bem avaliados com um encargo salarial mais baixo, permitem otimizar a relação custo-benefício financeiro (não necessariamente desportivo).

Sobre a Universidade Europeia

Líder em Turismo e Design, a Universidade Europeia é também uma referência no ensino de outras áreas de conhecimento como Gestão, Recursos Humanos, Direito, Psicologia, Desporto e Comunicação, disponibilizando uma oferta diversificada de Licenciaturas, Mestrados e Doutoramentos. A Universidade Europeia integra a rede Laureate International Universities que, em Portugal, detém ainda o IPAM e o IADE – Universidade Europeia. De salientar que todas as instituições portuguesas da Laureate International Universities são certificadas internacionalmente pela B Corp, por contribuírem na sua atividade para uma sociedade mais equilibrada, diversa, participativa e evoluída.

Com cerca de um milhão de estudantes, presente em mais de 20 países e com mais de 55 instituições de ensino superior, a Laureate International Universities é líder mundial na oferta de instituições de ensino superior e tem como missão influenciar de forma positiva e duradoura a vida dos seus estudantes, professores e colaboradores, assente no princípio “Quando os nossos estudantes brilham, os países prosperam e as sociedades evoluem”.

Mais informações sobre a Universidade Europeia.

Mais informações sobre o Grupo Laureate.

 

VdA Academia lança novo Prémio “Case Challenge 2018” para estudantes de direito

A VdA Academia organiza este ano a 1ª Edição do VdA Academia Case Challenge, prémio que visa promover a discussão, entre equipas de estudantes de Direito, de um caso paradigmático e real sobre uma temática jurídica atual, promovendo o desenvolvimento, em simultâneo, da análise jurídica e de soft skills.

Durante o V Encontro de Academias Corporativas a realizar no auditório da VdA, será entregue pelo Sócio Fundador, Dr. Vasco Vieira de Almeida, o prémio Case Challenge VdA Academia, instituído em renovação do anterior Prémio Internacional VdA Academia.

Esta 1ª edição terá lugar no dia 26 de novembro, das 15h00 às 18h00, no escritório da VdA em Lisboa. As equipas de várias Faculdades de Direito são convidadas a analisar e debater o Acórdão do Caso Google (TJUE Ac. C-131/12) – que consagrou o Direito ao Esquecimento –  à luz do atual RGPD.

A VdA Academia pretende com esta iniciativa inovadora desafiar os estudantes a debaterem um caso atual fora das Universidades. Para Benedita Aires, Associada Coordenadora da VdA e membro da VdA Academia “esta é uma oportunidade de proporcionar aos estudantes a aplicação de conhecimentos jurídicos, de argumentação e de expressão oral e escrita na discussão de um caso concreto, perante um júri constituído por advogados VdA especialistas em matéria de Dados Pessoais e Privacidade e no meio profissional de um escritório de advogados.”

A equipa vencedora receberá um prémio no valor de 3.000€, o qual, como referido, será entregue pelo Sócio Fundador, Dr. Vasco Vieira de Almeida durante o V Encontro de Academias Corporativas promovido pela VdA Academia no dia 27 de novembro. As inscrições para o VdA Academia Case Challenge 2018 podem ser efetuadas através do email: vda_academia@vda.pt

Marketing Digital do IPAM celebra 50ª Edição

O IPAM comemora a 50ª edição da sua Pós-Graduação em Marketing Digital. Pioneira no ensino do marketing digital em Portugal, esta pós-graduação do IPAM foi a primeira formação dedicada exclusivamente ao marketing online, sendo atualmente líder e responsável pela formação de mais de 1200 estudantes.

A Pós-Graduação em Marketing Digital nasceu com o objetivo de dar resposta ao impacto da Internet junto dos consumidores e utilizadores, procurando impor tendências de como impulsionar o marketing em ambiente digital.

Para o Professor Filipe Carrera, coordenador da Pós-Graduação em Marketing Digital, “com esta formação, procuramos capacitar de forma inovadora os nossos estudantes com as melhores competências, que lhes permitam antecipar as necessidades que possam ter para que as suas marcas e organizações sobrevivam na era digital”.

Encontrando-se disponível em Lisboa, Porto, Açores e em regime de ensino a distância, a Pós-Graduação em Marketing Digital do IPAM diferencia-se por recorrer a metodologias de ensino ativas, com recurso ao estudo de casos, exercícios práticos e a dinâmicas de grupo baseadas nas realidades profissionais desta área.

A formação destina-se a profissionais de qualquer setor de atividade que pretendam desenvolver os seus conhecimentos e competências de forma integrada em Marketing Digital.

Sobre o IPAM

Fundado em 1984, o IPAM é a mais antiga e a maior escola de Marketing em Portugal e uma das mais antigas em todo o mundo. Com Campus no Porto e em Lisboa, o IPAM formou nas últimas três décadas de atividade mais de 10.000 alunos e detém inúmeras parcerias com reputadas escolas nacionais e internacionais como a Pace University de Nova Iorque.

O IPAM integra a rede Laureate International Universities que, em Portugal, detém ainda a Universidade Europeia e o IADE – Universidade Europeia. As três instituições portuguesas são certificadas internacionalmente pela B Corp, por contribuírem na sua atividade para uma sociedade mais equilibrada, diversa, participativa e evoluída.

Com cerca de um milhão de estudantes, presente em mais de 20 países e com mais de 55 instituições de ensino superior, a Laureate International Universities é líder mundial na oferta de instituições de ensino superior e tem como missão influenciar de forma positiva e duradoura a vida dos seus estudantes, professores e colaboradores, assente no princípio “Quando os nossos estudantes brilham, os países prosperam e as sociedades evoluem”.

 

A Futurália regressa à Feira Internacional de Lisboa

Futurália é o maior acontecimento que se realiza anualmente em Portugal em matéria de oferta de educação/formação e também o que mobiliza mais jovens. Nesta ocasão, Futurália regressa à FIL de 03 a 06 de abril de 2019.

A Feira Internacional de Lisboa visa antecipar tendências e marcar um posicionamento em matéria de conhecimento sobre temas centrais no campo da educação e formação ao longo da vida, emprego e juventude.

Futuralia dispõe de uma mostra abrangente, oferecendo informação sobre todas as áreas e níveis de qualificação: Formação profissional e tecnológica, ensino Superior Público e Privado Nacional e Internacional e ainda Formação Complementar (Cursos de Línguas em Portugal e no Estrangeiro, Programas de Intercâmbio).
Podes ainda assistir a conferências, passatempos, desporto, actuações musicais e teatrais, entre muitas outras actividades.

Calendario Futurália 2019

  • Cuarta-feira, 4 de abril de 2019

10:00 – 19:00

  • Quinta-feira, 4 de abril de 2019
10:00 – 19:00
  • Sexta-feira, 5 de abril de 2019
10:00 – 19:00
  • Sábado, 6 de abril de 2019
11:00 – 18:00

 

GS1 Portugal estabelece parceria com a Nova SBE e dá nome a sala

A GS1 Portugal estabeleceu um protocolo com a Nova School of Business and Economics (Nova SBE) que visa promover a transferência de conhecimento entre estudantes e empresários. Uma das iniciativas é a presença assídua da GS1 Portugal nas novas instalações da “escola do futuro”, dando nome a uma das salas de aula. A inauguração oficial do novo campus decorreu no dia 29 de setembro e contou com a presença da GS1 Portugal.

Transferir conhecimentos, estreitar as relações com as escolas e as universidades, permitir a partilha de know-how especializado e expor a aplicação de conhecimentos teóricos em casos práticos e reais é um dos vetores estratégicos da GS1 Portugal, uma ambição que agora se concretiza através da colaboração anunciada com a Nova School of Business and Economics, instituição universitária portuguesa reconhecida internacionalmente. A parceria definida e a ligação pensada às empresas conquistou expressão adicional com a inauguração do campus da universidade, que teve lugar a 29 de setembro, onde a GS1 Portugal marcou presença.

Nas palavras de João de Castro Guimarães, Diretor Executivo da GS1 Portugal, “a parceria com uma entidade reconhecida como a Nova SBE representa um momento importante para a GS1 Portugal por ser o firmar de uma aproximação ao meio académico já pretendida ao longo dos últimos anos. Acreditamos que esta é mais uma iniciativa para dar uma melhor resposta à comunidade empresarial, com especial destaque para os nossos Associados, ajudando a promover o crescimento sustentável da economia do país. É fundamental sensibilizar os futuros profissionais para a importância da utilização dos Standards GS1 ao longo da cadeia de valor, enquanto linguagem global dos negócios que permite às empresas identificarem, capturarem e partilharem informações sem problemas, ajudando-as a crescer de forma eficiente, sustentável e segura”.

As novas instalações da Nova SBE estão já em funcionamento para cerca de 3.000 alunos – nacionais e estrangeiros. O novo e inovador campus situa-se em Carcavelos, no concelho de Cascais e a GS1 Portugal marca presença na universidade desde o primeiro momento. Em acréscimo à sala de aulas com o nome da GS1 Portugal, a parceria prevê o leccionamento de aulas abertas; a participação na incubadora de startups – o Venture Lab – que inclui um próprio programa de aceleração de startups; a participação em conferências, sessões académicas e outros eventos, como feiras profissionais; trabalhar, em conjunto, no desenvolvimento de programas para empresas, sobretudo PME [pequenas e médias empresas], e em projetos de investigação.

“Com esta parceria pretendemos, por um lado, chegar junto da comunidade académica, levando-lhes a nossa experiência e, por outro, apreender os seus conhecimentos e concretizar as suas ideias inovadoras”, explica João de Castro Guimarães.

Esta aproximação da GS1 Portugal à Academia representa mais uma oportunidade para dar a conhecer o trabalho da GS1 Portugal enquanto entidade neutra e próxima da comunidade, reforçando a importância da colaboração entre os diversos agentes das cadeias de valor – dos produtores aos consumidores finais, no sentido de construir um futuro próximo cada vez mais colaborativo, eficiente e sustentável.

Sobre a GS1 Portugal

A GS1 Portugal é a organização responsável pela introdução do código de barras em Portugal há mais de 30 anos. É uma Associação de direito privado, sem fins lucrativos, neutra e multissetorial, declarada entidade de utilidade pública. Mais de 8.000 empresas aderiram e acreditam no Sistema de Normas GS1 para transformar a maneira como trabalhamos e vivemos. Somos uma das 112 organizações-membro da GS1 e a entidade autorizada para gerir o Sistema GS1 de Standards Globais em Portugal.